29 julho 2009

Coisas diferentes na NokiaLand

Amigos,
Estou aqui na terra dos telemöveis e o teclado tem a configuracao de todo o pais: diferente!
Pois muito bem, neste paraiso do norte mais norte, que tanto entusiasmo provoca no nosso primeiro-ministro, atravessar fora da passadeira, ou com sinal vermelho custa 80 Euros. Por outro lado urinar na rua custa 8 Euros. Para quem como eu, gosta de ser um pouco contra o sistema, mas, ao mesmo tempo, poupado, a segunda opcäo sai muito mais em conta. Resta-me saber se atravessar a rua fora da passadeira, enquanto se urina, proporciona duas multas, ou prevalece apenas uma delas. Nada como experimentar.
Porto, ou melhor Portto, e uma forma delicada de dizer prostituta, o que me obriga sempre a dizer que sou de Oporto. Sempre poupo-me a ouvir explicacöes sobre a palavra.
Comprar um saco plastico num supermercado custa 17 centimos e um expresso, para matar saudades do Cimbalino, custa pelo menos 2,20 euros, ainda que eu ja tenha pago 2,70. Um bolinho com cafe e coisa para ficar por 6 euros. Umas aguas num cafe ficam por 2 euros e uma cola por 3 Euros. Isto nos sitios normais, e claro. Uma cerveja, medida inglesa pint, fica por 6 euros, mas um menu no Macdonald's ca do sitio fica pela preco ridiculo de 3,90 Euros.
Ao domingo nao se vendem bebidas alcoolicas! Nada... ou melhor, vende-se cerveja, o que da para a boa refeicao dominical. No entanto sabado a noite, ha alcool a mais, ora nas garrafas, ora nos vomitadoss que se espalham pelos cantos.
A calma (com excepcao do sabado a noite) e ate depressiva: nao ha filas, transito, buzinas. Ha lugares para estacionar e o tempo nem parece passar.
Cada garrafa de agua de plastico vale 20 centimos na reciclagem. Se for de litro vale 40 centimos. As latas valem 15 centimos. Ha quem ganhe para as ferias so a apanhar lixo e a vende-lo nas casas de reciclagem.
Voltando a escatologia, urinar num cafe pode custar 1 euro e no mercado custa 20 centimos. Sai mais barata a multa e por isso mais vale faze-lo em plena via publica. Näo ha bides! Mas ha umas mangueiras que saem do lavatorio e que sao accionadas por um gatilho, que permite uma lavagem de todas as partes intimas em plena sanita. Coisa curiosa e pratica.
Por tudo isto, estou a gostar de ca estar, mas comeco a sentir falta das nossas coisas. Para a semana volto, qual emigrante, para o meu Portugal, num querido mes de Agosto.

28 julho 2009

Surpresa!


O que estiveram os meninos a fazer em Gondomar?

A fazer de majoretes? Não, pois falo de Gondomar galego...

Pois, não vos posso dizer ainda mas as cabecinhas não param de pensar em cores de letras, fotografias, ouvem e ouvem...

Por falar em ouvir, para quando a caldeirada de peixe, Campanhã?

Pois, porque aquele concerto da Maia foi muito para além da música, ficou a ansiedade pelo repasto preparado pelas mãos do Campanhã, o mestre do cavaquinho e braguesa, do conjunto António Mafra.

Parece que estão aí as férias a chegar, para alguns, pois para os directores dos telejornais já chegou, a ver pelo desnorte dos programas nos últimos dias(a criminalidade já deu o ano passado, a Maddie também, agora o mergulhador que desaparece... tristes noticiários quando não há calor para os incêndios...), bom como estava a dizer as férias são boas para uma caldeirada...

26 julho 2009

Desde a Finlandia

So para vos dizer que a vida segue por estes lados. A primeira semana de trabalho ja passou e correu bem. Tenho fotos no minimo bizarras para partilhar... mas nao agora... Vou para o pequeno-almoco e depois gozar mais um dia livre, depois de ontem ter passeado por Naantali. Beijos e abracos
dsföö ijdhfsäö siudfhdsfäöäöö sdff ööåö soihfsååf sfööääåä fiousååådf 'äää' dsfoif äöäs åå(nao e necessariamente a traducao, mas parece finlandes!)

24 julho 2009

Afinfa-lhe!!

Acabamos de chegar de Afife, onde cantamos para um grupo de convivas, na sua maioria Espanhois. Cantamos num formato que começa a ser usual, o quarteto. Mal entramos na sala , um atento espectador, espanhol, fez o reparo: "estan catro". Uma noite muito divertida. Parece que este formato veio para ficar. O verdadeiro carrocel. Quem é o próximo?

18 julho 2009

De saída

Amigos, vou pregar para outra freguesia. Vou para a Finlândia, mais propriamente para Turku, última paragem de um projecto artístico que me incluiu e que me levou duas vezes a Great Yarmouth e a Avis.
O trabalho é extremamente aliciante e por cá vos darei conta do que se vai passando por aqueles lados.
O quinteto fica, por três semanas reduzido a quarteto, situação que não é nova, pois ainda há pouco, o fizemos em Espanha, por doença do Miúdo. Aos meus coleguinhas que já para a semana pegam ao trabalho, desejo as melhores músicas.
E para esta despedida ser musical, fica aqui o vídeo do George Harrison "When we was fab", canção feita para os tempos gloriosos dos fab four de Liverpool. Pois que os quatro que por cá ficam, nunca a cantem com tanto fervor! Se o fizerem, tal só poderá ser sinónimo de duas coisas: ou que a minha ausência foi uma enorme alegria para eles, ou que eu nunca mais volto... e confesso-vos que além de medo, ainda não sei se vou em algum Airbus...

15 julho 2009

Coisas de que gosto...

Já há muito aqui escrevi que a silly season para as Vozes da Rádio começa no primeiro minuto de cada ano e termina na última badalada desse mesmo ano.

Ainda assim, e chegados ao tempo quente, a coisa agudiza-se e este tasco fica ainda pior do que costuma estar.
Tudo isto para dizer-vos que hoje trago para aqui uma daquelas maravilhas que me enche de alegria: um erro de escrita, do tamanho de um cartaz! Este, um cartaz de um restaurante, que é um dos sítios onde mais frequentemente encontro estas preciosidades.
Haja então maramota, que juntamente com as batatas cuzidas que já aqui falei, são um prato muito aperciado!

13 julho 2009

Pierre Van Hauwe


Pierre Van Hauwe é um dos grandes vultos da pedagogia musical. Este fim de semana, disseram-me que ele morreu há já 15 dias...

Também eu, como uma grande parte da população Europeia e um pouco por todo o Mundo, desde há cerca de 50 anos, iniciei a minha aprendizagem musical através da pedagogia do Pierre inspirada por Karl Orff(seu amigo). Desde cedo, não sei se marcado pela pedagogia em si ou se pelos professores que a aplicaram, ele foi uma referência para mim. Primeiro como aluno e agora como professor.

Vai fazer neste final da semana um ano que, tive honra de ser convidado para ser um de quatro formadores de um curso de didáctica e pedagogia musical e, inesperadamente, um desses formadores foi o Pierre. Esta experiência, deu-me o privilégio de privar um pouco com ele... e perceber a grandeza da sua pedagogia que é sobre tudo Humana tal como a música. O que me levou novamente a reflectir acerca do que se anda a ensinar aos alunos e aos alunos futuros professores...

Toda a sua força deixou-me um jantar sem jantar... feito parvo, com aquele sorriso de quem sorri para não falar, porque cada minuto que eu o fizesse perder a ouvir-me era menos uma enormidade de conhecimento que eu estaria a desperdiçar.

Fico muito triste com a sua partida e com a força que levou com ele. Eu sei que ele se esforçou muito para deixar aqui alguma da sua sabedoria, mas também sei que há pessoas grandes de mais para uma vida tão pequena!

12 julho 2009

Vozes a leilão!! Quem dá mais??

É verdade! Vejam só o que descobri na rede!
Vá lá, vá lá! Quem dá mais?


https://www.miau.pt/leiloes/leilao.jsp?offer_id=7185042

09 julho 2009

Draculices

Um dos próximos projectos está para ser desvendado em breve... Sei que a ansiedade de todos os que visitam o nosso tasco é enorme... Não podemos tornar público o próximo passo de gigante das Vozes da Rádio, no entanto fica aqui mais uma pista... ou uma draculice, como preferirem...

video

08 julho 2009

Antes que ele morra...

Ontem, como qualquer mortal ainda em estado vivo, não pude deixar de deitar o olho ao funeral do ano. Confesso que não tenho aquela curiosidade mórbida em espreitar funerais, cemitérios ou outras actividades que envolvam cadáveres, mas o showneral (como já vi escrito) de ontem, era bem mais do que um ritual de despedida.
No meio de discursos inflamados, afirmações de amizade eterna e o lamentável espectáculo da criancinha (filha ou não...) a falar do pai, tive assim oportunidade de ver uma performance fantástica do Stevie Wonder.
Julgo que já aqui escrevi que admiro o Stevie Wonder e a sua música. Aqueles melismas, esgares vocais, miadas sem fim, que ficam terrivelmente mal a qualquer português que o tenta fazer, caem como luva na voz do homem. E ontem aquele "Never dreamed you'd leave in Summer" foi sublime.
Para que fique para a história das Vozes, conto-vos aqui que o primeiro arranjo que escrevi para este grupo foi uma música de Stevie Wonder "Isn't she lovely?" e que estreámos logo no nosso primeiro concerto, no dia 21 de Abril de 91. Era a fase das 4 vozes e contrabaixo e durante cerca de ano e meio fomos cantando essa música.
Esta é a altura ideal para vos contar isto, porque o homem respira saúde, canta ao seu melhor nível e não se prevê que caia numa mortalha tão depressa.
E para fechar a versão de 71, no Brasil, de "Never dreamed you'd leave in Summer". A música tem quase 40 anos, mas ficou muito bem no funeral de ontem, lá isso ficou!

07 julho 2009

AVISO

Se passarem por ele na rua, não lhe toquem, nem lhe falem.
Parece que é perigoso...

Portugueses

Ouvi dizer que estava muita gente, num estádio em Madrid, para ver um futebolista português. Pensei logo, em madrid também já as VdR estiveram e fizeram sucesso. Foi em... tá a data na foto... numa sala chamada "Joaquim Sabina". Foi um espectáculo. Também muita gente foi lá para nos ver e ouvir...

03 julho 2009

Uma história nova

Acho que não vos dou grande novidade se vos disser que o Michael Jackson morreu. Talvez mesmo só ao nosso técnico de som, Nuno Oliveira, que no domingo, quando nos encontrámos em Águeda, ainda não sabia de nada...
Acho particularmente interessante que nestas alturas, apareça um sem número de pessoas que conheceram, privaram, frequentaram a casa, viveram no rancho, enfim, foram mais próximos do artista do que a sua própria pele, e que fazem aquele discurso da pessoa boa, dos bons sentimentos, do artista único, da perda irreparável. De facto, nada melhor para a auto-estima de alguém que a sua morte. Traz apenas o inconveniente de o estado de cadáver já não nos permitir usufruir das belas palavras que de nós se dizem. Mas que é bonito, é!
Ora, nós não fomos próximos, não conhecemos, não vivemos, nem sequer nos deitámos com o artista. O único que o viu mesmo mais de perto foi o Vilhas, que esteve em Alvalade em 92 e que garante ter sido o melhor concerto que já viu na vida.
No entanto, e nisto há sempre um mas, estivemos quase a ser tão próximos do rei, como a sua luva branca, ou o seu cabelo de polietileno.
Pois é! Em meados de 95, estávamos nós a acabar de gravar o nosso Bruxas, Heróis e Males d'Amor, veio a Portugal Jennifer Batten, para uma guitar clinic, em que o nosso Vilhas participou. O nosso produtor desse disco, José Nogueira, também esteve com a guitarrista e convidou-a a gravar um solo connosco. Ela gostou da ideia, aceitou, mas (e volta a haver um mas), a sua passagem pela Europa era longa e sem espaço para ir a estúdio. Ainda se tentou que ela levasse as fitas, para, chegada aos Estados Unidos, gravar o tal solo... só que tínhamos um prazo muito curto e toda a vontade e boa-vontade, ficou reduzida a um "fica para a próxima!".
Esta Jennifer Batten era a guitarrista do Michael Jackson desde a Bad Tour, até a esta This is it que não chegou a ser...
Se tivéssemos conseguido esse registo, esse solo no nosso disco, neste momento podíamos dar entrevistas a falar da nossa incrível relação com o Michael, do seu sorriso, da forma como colava o nariz, ou da quantidade de pó de arroz que tinha de por diariamente. Teríamos privado e seríamos muito íntimos dele, como todos esses que andam por aí a falar de morte alheia, nem que seja para terem a cara ou a voz nas tv's, rádios e jornais.