20 julho 2007

Profissão difícil

A profissão de músico que os cinco abraçámos há muitos anos atrás tem por vezes momentos muito difíceis. Há todo um trabalho que é preciso fazer, e que só pode ser feito por nós, que necessita uma enorme preparação psicológica e uma resistência, diria, hercúlea.
Dei conta disto quando no outro dia, por motivos que não são para aqui chamados, passei umas horas numa sala de espera de um hospital daqui da cidade, mesmo em frente ao sector de urologia. Os pacientes entravam e saíam a uma cadência louca e dei comigo a pensar “que profissão desgastante esta de andar a ver rins e afins…”. De facto, e olhando para muitos dos doentes que por ali passavam, só um espírito de missão pode levar um médico a lidar com tais enfermos e enfermidades.
A nossa vida é quantas vezes passada a correr de um lado para o outro, a fazer e desfazer malas, às vezes (uns mais do que outros) a correr para a lavandaria para ir buscar o fato que se mandou lavar, a carregar com os instrumentos (aqui também uns mais do que outros), a comer na estrada, a dormir em hotéis… tantas agruras que com um pouco mais de racionalidade não teríamos escolhido este caminho. Só mesmo esse espírito de missão que nos guia e que faz de nós mensageiros da felicidade nos mantém fieis às cantorias e a este quinteto. Se calhar o mesmo espírito dos urologistas.
Tudo isto poderia servir de preâmbulo para a minha visão sobre o almoço de domingo com a Tuna Meliches já aqui referido… mas não é disso que vos falo. Ainda não… retrocedo a Maio, dia 19 e paro em Lagoa, Algarve, onde nos apresentámos no Auditório Municipal. Foram 600 kms de auto-estrada, que terminaram no hotel Tivoli o que ainda nos obrigou a esta terrível sessão de piscina:

No fim, e para eternizar o momento, tirámos esta fotografia com o melhor ar que conseguíamos evidenciar:

É, há profissões difíceis. A nossa é uma delas. A de urologista também. Entretanto tudo isto para também ir anunciando um retorno meteórico ao Algarve: dia 12 de Agosto estaremos de tarde na Fnac para apresentar o “Sete e Pico…”. Será por breves instantes, porque nesse mesmo dia à noite teremos trabalho em Lisboa! Digam lá que não é difícil?

4 comentários:

São Rosas disse...

Coitaditos...
Amanhã vou enviar-vos um recorte do Diário «as Beiras» de Coimbra que noticia um concerto na FNAC de Coimbra dos Vozes da Rádio, "grupo lisboeta". Aposto que aquilo foi escrito por um urologista ;-)

Tany disse...

Nesse dia à noite têm trabalho em Lisboa???
Será aquilo que estou a pensar?... Ou será que mudaram de profissão para urologistas? :P

Vida de artista é tramada... Especialmente quando ainda são obrigados a ir para a piscina... Realmente!

Bjinhos

1 Car(v)alho disse...

Cuidado que o urologista não utiliza o Diapasão...no ouvido!

Anónimo disse...

Quem é que tira as fotos???

O Vilhas???

Quase não aparece em nenhuma...

E ele esteve em Lagoa isso é certo!

Só curiosidade...