01 agosto 2007

Primeiro dia do Mundo

O que seria das Vozes sem os meses quentes? 30 de Junho foi o dia do Miúdo. Em Julho, há bem pouco, tivemos o dia do nosso Zé António. Depois os amigos: o Gaudêncio e o Pedro. Hoje é mais um dia de aniversário de um de nós. De um daqueles que não sobe ao palco, mas a quem devemos algumas das mais belas letras que cantamos. Hoje é dia de anos do João Monge!
Curiosamente ainda no outro dia, numa entrevista na Rádio Boa Nova, me perguntaram como é que o Monge “entra” nas Vozes. Passo então agora, a contá-lo por caracteres. Está a fazer exactamente 5 anos, fui a Lisboa tratar de uma série de pequenos assuntos. Foi em Agosto e marquei almoço com o amigo Manuel Paulo, da Ala dos Namorados, que nessa altura andava às voltas com o Assobio da Cobra, um disco fantástico em que as letras são todas do Monge. Quando cheguei a casa do Manuel estava também o Monge. Convém dizer agora que já antes eu e o Manuel Paulo, tínhamos falado sobre uma hipotética colaboração do letrista connosco. Após as conversas iniciais e a audição de algumas músicas que iriam ser mais tarde o Assobio, seguimos então para o repasto que teve lugar num restaurante alentejano na Parede.
Foi o melhor começo, logo abençoado pela comida e pela bebida. Falámos das Vozes, das músicas e perguntei ao Monge se ele gostaria de escrever uns poemas para umas canções que tinha em mente fazer. Coisa a atirar para a música dita erudita, ao estilo Lied. O Monge não disse que não, mas que ficou surpreendido ficou.
Cá vim A1 acima, e quando cheguei tinha um e-mail do Monge. Exactamente aquele que está no disco “Mulheres”. O que o Monge designa nesse mail por “Eu tenho aqui umas merdas escritas sobre as quais gramava saber a tua opinião. É um conjunto de letras (?) à procura de música e voz (vozes, de preferência), com um fio-condutor e com as rimas em ar, ão e er” é nada mais, nada menos do que o disco Mulheres.
Depois foi tudo o mais natural possível. Eu senti-me o maior dos privilegiados por estar a trabalhar com aquelas letras: recebi-as por mail e mandava mp3 para baixo. Tudo muito simples, porque por trás de cada um daqueles textos já está a música feita. Houve coisas tão espontâneas que entre receber a letra e enviar a música não passavam nem meia dúzia de horas. Mas o maior dos privilégios foi ter ganho um amigo, daqueles enormes. Ganhei um irmão alentejano, mais velho mas nem por isso mais equilibrado! Por isso nos damos tão bem. E foi até comovido que um dia, há algum tempo, o ouvi apresentar-me como “um amigo de infância, que conheço há seis meses”. Só de um grande poeta saem coisas assim…
Assim, mano, este primeiro dia é todo para ti. Para a semana bebemos aí em Lisboa, à custa deste dia… E se bem me lembro, temos um disco para fazer, não é? Pois vamos lá começar a trabalhar!

Fotografia de Agosto de 2004. Nós (sem o Jony que operava com a Lomo), o Monge e o Manuel Paulo. Neste dia gravámos o vídeo do Samba do Acento que faz parte do Assobio da Cobra.


O vídeo do Primeiro dia do Mundo, um dos temas do Mulheres. Este vídeo nunca apresentado, foi apenas uma "brincadeira" do nosso amigo Carlos Figueiredo, que mais uma vez volta a mostrar que é um grande artista. Para ti Monge, e sobretudo para a tua mãe, cá vai o beijinho das Vozes. Venham mais 50!

7 comentários:

Miúdo disse...

Parabéns, grande Monge! E sigam mais 50. Abraço

Tomi disse...

Alguns esgalhanços atrás o Joca falava desta profissão dificil(http://vozesdaradio.blogspot.com/2007/07/profisso-difcil.html). Pois também tem alguns privilégios. Poder na próxim semana dar-te um abraço é um. Parabéns!

j. monge disse...

Obrigado, amigos! Muito obrigado! Fónix, não me sai nada...

Rui Santos disse...

Já há muito deixei de ser " um gajo da rádio ", me tornei um fan das Vozes e um forte " gruppie " ( expressão que me trouxe o ultimo fim de semana ), e passando aqui com regularidade reforço hoje os PARABÉNS já dados ao SENHOR Monge, e conto do entusiasmo com que recebi a notícia de que o ia conhecer no Porto, no lançamento do " Mulheres ". " O Monge é capaz de ir lá ter... ", dizia-me o Jorge, e foi mesmo. " D*sse, vou conhecer o homem... ", pensei eu. E foi lá ao Peninsula que ele foi ter, disfarçado de gajo franzino, quando é um homem ENORME! Obrigado por tantas emoções, que começam nas letras e acabam à mesa ou num backstage qualquer.

Abraço às Vozes!

São Rosas disse...

O João Monge só pode ser um tipo fixe.
Aposto que gosta de leitão assado... ou então de tofu... cóf... cóf... cóf... cóf... cóf...

Anónimo disse...

Ao João Monge um Bem Haja pelas letras espetaculares, já era Fã convicta da Ala dos Namorados, tenho quase todos os cds, e passei a adorar as Vozes da Rádio que por sua vez têm letras do João Monge...

Que contem sempre a somar muitos anos, de alegrias, amigos, boa música pois sem ela não há bandas sonoras para completar as nossas vidas, e cada vida deve ser vivida com uma banda sonora...

Um grande abraço desta Fã...

P.S.O cd Mulheres de certeza que é uma B.S. de muitas mulheres...

Beijos
Mónica

San disse...

Ah leão! Mas leão ao jeito do Caetano, está bem?
Um abraço bem forte desta Augusta!