06 outubro 2007

Onde os milagres nascem

Muitas vezes, no fim dos concertos, somos abordados pelo público, geralmente para conversar. Nessas abordagens até se desenvolvem conversas simpáticas, onde ouvimos elogios - aquilo que o artista denomina de "sustento", que vai muito para além do cachet... (se bem que esse sustento não paga as fraldas do novo rebento do Tomi, mas aquece-nos o espírito). Uma das perguntas mais frequentes ("faqs" para os internautas mais conhecedores) prende-se com as horas de ensaios... "Ah, vocês devem ensaiar muito... Quantos dias por semana vocês ensaiam? Devem ser muitas horas, não?" - bem, as horas nem conseguem ser contabilizadas. De facto, para se atingir o patamar de qualidade pelo qual todos nós nos regemos é necessário investir muito do nosso tempo. Parte dessas horas (as de ensaio colectivo) são passadas nas instalações da Escola de Música Valentim de Carvalho, escola essa que faz parte da história das VdR. Nunca é demais agradecer à Janeca e ao Zé Manel Pinheiro pela simpatia e apoio.


Os meninos em dia de ensaio... parecem os 3 porquinhos, o lobo mau e a avozinha!


Tomi, parvo a ouvir com a linha de baixo que o Vilhas estava a cantar... só lhe falta o Donaltinho para ser o perfeito ventríloquo.


As caras reflectem o esforço após várias horas de ensaio... Felizmente passa no dia a seguir, não fazendo (muitos) danos ao nível cognitivo.

2 comentários:

São Rosas disse...

Vocês saem sempre dos ensaios com aquele ar zombie?

1 Car(v)alho disse...

Curioso...CoGnitivo leva um "G"!Será esse o famoso ".G"?
Por certo, daí a expressão deles e não a zombaria_São, São.