21 outubro 2007

Porreiro, pá!


Foi nestes termos que o Sr. Sócrates nos surpreendeu a todos, naquela noite do consenso europeu. Tudo se passou enquanto abraçava euforicamente o Zé Manel. A verdade é que desde os brilhantes tempos do PREC que não ouvíamos tal vocabulário na boca de um destacado político. Verdade também é que com este uso linguístico o nosso primeiro não conseguirá nunca a tal inscrição na Ordem. É que, convenhamos, isto é discurso de electricista ou de mestre-de-obras e nunca de Engenheiro Electrotécnico ou Civil. Ainda assim fica muito bem num primeiro-ministro jovem e activo como ele gosta de mostrar que é, faltando-lhe apenas inserir no seu discurso palavras como tipo, bué ou o redentor daa-se!
Nós na sexta também nos abraçámos e também dissemos variadas vezes “porreiro, pá!”, no final do jantar que me juntou ao meu colega Jony, à nossa sócia Manela e ao Cadú de Andrade, músico e representante nesta noite da editora Asa Discos de Minas Gerais. Ontem houve comida, bebida e papéis para assinar!
Para todos os efeitos este é o primeiro contrato das Vozes da Rádio com uma editora estrangeira, o que além de nos alegrar, cria expectativas de uma aventura fora de portas. Desta ligação em breve daremos notícias.
Tudo se passou num sítio lindo aqui do Porto, junto ao Passeio das Virtudes. Como os políticos e os gestores, fizemos um jantar de negócios no Restaurante Cometa. A vista sobre o rio foi a testemunha necessária para estas coisas de contratos. Lá pelas duas da manhã regressámos, mas a testemunha ficou ali para certificar os abraços dos amantes, os lances de cartas dos jogadores e as passas dos gunas! Tudo ali nas traseiras do tribunal.

A foto de telemóvel tirada pelo nosso Marafuz que também lá esteve. Ficam até à mostra os documentos assinados e o Restaurante Cometa. Não comecem agora no brejeirismo saloio, à conta do nome da sala de pasto, de cogitar onde vamos meter os papéis.

6 comentários:

Tany disse...

Presumo que a vossa reunião não tenha dificultado a vida aos trabalhadores, devido a ruas cortadas, certo? :P

Bjinhos

São Rosas disse...

Dass... antecipaste-te bué tipo, com essa do nome do restaurante.
Porreiro, pá!

Joca disse...

Minha querida São,

Eu já penso como tu... e vi logo que pensarias que eu meteria os papéis no, tipo, humm, sei lá não me ocorre nada. Fica com a minha benção e um beijo!

jp

1 Car(v)alho disse...

E já cogitaram? Cogitar também é uma palavra "porreira"...merecendo "bué" de trocadalhos melichados.

Maneluska disse...

É à mesa (de jantar) que se fazem os melhores negócios! Viu? ;)

mar´\ disse...

Reparem na perspicácia e eficiência do fotógrafo captando as folhas das 2 cópias do dito contrato.
Mesmo saindo de um restaurante após umas doses de tinto escolhido por mister joni, o grande fotógrafo demonstra uma destreza mental que pouco conservariam dadas as circunstâncias.

Afinal de contas dizem que o álcool é doping nos desportos de precisão...
Tem lógica.

Tira completamente a visão periférica. Só vês o que tens à frente. e às vezes a dobrar.