28 setembro 2007

O "Luís"


Iniciado o ano lectivo e aumentando a dor da saudade do Verão “tórrido” de 2007, deixo para o lado a preguiça, aqui avidamente protestada, e venho dar mais um contributo ao panteão de lascividade e humor colorido, de branco, que é este Blog das Vozes da Rádio.
Bendito serviço público que me voltou a fazer sentir pequeninito outra vez. Logo pela manhã, de canal 1 em riste numa actualização pelas notícias do dia anterior, é anunciada a rubrica de meteorologia… continuei indiferente pela imunidade que vamos adquirindo à voraz vontade de nos informar, ou melhor, à voraz vontade de nos convencer (moda = serviço público => estou no canal correcto) … nem dei atenção ao segundo nome do senhor que surgiu a apresentar a previsão do tempo para o dia, fim de semana e início da semana seguinte.
Espectacular!!!
Munido de um quadro oferecido pelo Sr. Sócrates, com uma pose retro (os termos eram aqueles mesmos, a rosa dos ventos foi toda citada e os cabos…lindo!) mas com atitude compenetrada e de uma capacidade comunicativa muito mais apurada e capaz de convencer os ouvintes do que muitos dos funcionários ao serviço do público… estava quase a sentir o cheirinho do pequeno almoço com as torradinhas do pão do dia anterior feitas pelo Papá e do leitinho com Ovomaltine preparado pela Mamã e a chamada de atenção para que as minha costas ocupassem novamente o encosto do sofá em vez da pernas… surge a inovação: o Luís (o tal senhor que apresenta as previsões climatéricas) deixa o quadro Sócrates, aproxima-se o plano de imagem ao Luís e inicia-se um diálogo com o pivot, em que este lia algumas perguntas em tom de quem se tinha encontrado no café “O Poeta” para tomar o cafezinho da manhã, e o Luís sempre com o seu ar de inabalável certeza, ia respondendo até à despedida do bom fim de semana…
As saudades que eu já tinha da minha alegre casinha e da rubrica da meteorologia. Engraçado o Luís e o tom de seriedade dado pelo Pivot como se nos fossem convencer de que aquilo é mesmo verdade (meteorologia e não só). Engraçado concluir que a liberdade está na nossa génese, na nossa Natureza (os Verões tórridos dados como certos e históricos que apenas cheiram a torradinhas, os furacões arrasadores que enfraquecem e não arrasam, as ondas gigantes que ninguém sabe e põe todos a boiar, os buracos que nos vão virar o planeta num Saara gigante e que mesmo sem brigadas anti-buracos aparece tapado, as gripes que nos vão por a voar…).
Viva os monges do Tibete e os monges no geral!
Viva a liberdade do 25 de Abril e a liberdade em geral!
Viva a liberdade de expressão e a plástica e musical!
Viva as Vozes da Rádio e a liberdade de todos comprarem os seus discos em qualquer loja onde os artistas em questão queiram honestamente por à venda (sem a necessidade de implorar a misericórdia de que os mercados lhes sejam abertos)!
Viva eu próprio que gostava que me saísse o jackpot do Euro milhões sem apostar um chavo!

2 comentários:

Anónimo disse...

Brilhante!!!

nm disse...

Eu, como sou de outra geração, tenho mais presente a música de abertura da sic, mesmo antes dos desenhos animados, e leitinho com chocapic que se mantém no top dos mes pequenos-almoços favoritos. Mas acho bonito começar o dia a ver a meteorologia.